AS PESSOAS FELIZES TEM ISSO EM COMUM

Compartilhe:
Você gostou?

Entre as pessoas mais felizes, 10% delas aplicam em sua vida esta dica que irei compartilhar.

“Como investir na sua felicidade?” É a pergunta que você se faz. E neste texto vamos lhe responder esta pergunta! Essa dica foi extraída do livro “O Jeito Harvard de Ser Feliz”, de Shawn Achor.

Um dos estudos psicológicos mais longos de todos os tempos – o estudo dos Homens de Harvard – acompanhou 268 homens desde a entrada na faculdade no final dos anos 1930 até os dias de hoje. Com base no enorme volume de dados resultantes, os cientistas conseguiram identificar as circunstâncias na vida e características pessoais que distinguiram as vidas mais felizes e mais plenas das menos bem-sucedidas.

No verão de 2009, George Vaillant, o psicólogo que dirigiu esse estudo nos últimos 40 anos, afirmou que há “70 anos de evidências de que os nossos relacionamentos com as pessoas importam, e importam mais do que todo o resto”, ele ainda resumiu os resultados em uma única palavra: “amor…”.

Os resultados do estudo foram replicados muitas vezes. No livro Happiness, os psicólogos Ed Diener e Robert Biswas Diener analisam o enorme volume de pesquisas interculturais conduzidas sobre a felicidade nas últimas décadas e concluíram que: “da mesma forma como a comida e o ar, parecemos precisar dos relacionamentos sociais para prosperar”.

Em um estudo apropriadamente intitulado “Very Happy People”, os pesquisadores buscaram identificar as características dos 10% mais felizes.
Será que eles vivem em climas mais amenos? Eles são ricos? Eles são fisicamente saudáveis? O estudo revelou uma – e apenas uma – característica que distinguia os 10% mais felizes de todos os outros: a força de seus relacionamentos sociais.

É por isso que, quando temos uma comunidade de pessoas com as quais podemos contar – parentes, amigos, colegas – multiplicamos nossos recursos emocionais, intelectuais e físicos. Nos recuperamos mais rapidamente dos contratempos, realizamos mais e temos um maior senso de propósito. Além disso, os efeitos sobre a nossa felicidade e, portanto, sobre a nossa capacidade de aproveitar do Benefício da Felicidade, são tão imediatos quanto duradouros. Em primeiro lugar, as interações sociais nos inundam momentaneamente de positividade; depois, cada uma dessas conexões fortalece um relacionamento ao longo do tempo, o que eleva permanentemente o nosso nível de felicidade. Então, quando um colega o para no corredor do escritório para cumprimentá-lo e perguntar sobre o seu dia, a breve interação aciona uma espiral ascendente contínua de felicidade e acarreta as recompensas inerentes a esse estado de espírito elevado.

Sabendo disso, curta mais seus amigos, sua família, seus colegas. Interagir com outras pessoas faz muito bem a nossa saúde, ao nosso sucesso e a nossa felicidade.

Uma antiga crença que eu tinha em mente, e é bem comum em relação a amizades era: “Eu prefiro ter poucos amigos, mas bons amigos” e isso em parte é verdade, pois quanto mais próximos os relacionamentos, mais eles interferem na nossa vida e felicidade, mas a pergunta que te faço é: “E por que não ter muitos bons amigos?” Sim, vários amigos com um profundo relacionamento. É possível, basta expandirmos nossa percepção em relação a isso. Hoje eu tenho grandes amigos que conheci há pouco tempo.

Então é isso, invista em seus relacionamentos. Curta sua família, curta seus amigos e colegas, estreite seus vínculos e assim terá cada dia mais pessoas com quem contar, se divertir e ter uma vida mais e mais feliz.

Te DESAFIO a colocar em prática essa dica hoje mesmo: compartilhe com os amigos que você está com saudade e animado para colocar a conversa em dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *